sábado, 27 de dezembro de 2014

ADEUS MEU VELHO!

 
Boa noite meu velho! – Disse eu àquele senhor, sentado sozinho no banco da praça, olhando quem passa, com seu ar cansado, rosto marcado, barba branca e longa, olhar perdido ao longe, ombros caídos, mãos trêmulas segurando seu cajado, usado para ajudar suas pernas em seus últimos passos, sorriso escondido de quem está chegando ao fim.
- Boa noite meu filho – respondeu o velho com sua voz rouca, baixa e muito cansada...
O senhor não está bem? – perguntei...
- Estou cansado... Minha hora está chegando meu filho. Já cumpri minha missão. Todo mundo está esperando minha partida. Alguns com emoção. Outros com tristeza no coração... Estou contando as horas. Parece que foi ontem que fui recebido com festa. Até aqueles homens e mulheres que vivem ao relento me esperavam chegar. Quando cheguei o mundo todo já estava enfeitado de luzes, fogos coloridos e alegria... A esperança era a companhia de todos, com suas roupas novas e cada ser com sua cor predileta e suas simpatias acreditando que tudo seria diferente quando eu chegasse. E na contagem regressiva, muitos choravam, outros dançavam, alguns rezavam, outros buscavam dentro de si a esperança. Mas todos comemoravam a minha chegada. Eu representava, naquele momento, uma nova vida, novos amores, novos sonhos, retornos esperados, retomadas de paixões, e principalmente a prosperidade e a paz.
- É verdade – interrompi - Todos nós esperamos melhorar a vida, as relações, a sorte, as paixões, conquistar novos amores, manter o amor, cultivar pra não perder, se encontrar, nova vida viver. Eu também, meu velho. Eu também sonhei muito. Quis muitas coisas. Algumas consegui, outras não. Tanto ganhei. Tanto perdi, mesmo assim muitas coisas aprendi.
- Pois é meu filho – disse o velho me interrompendo também – Está quase na hora de ir. Em mim muitos sonhos foram realizados. Muitos amores, muitas pessoas, muitos sonhos, nasceram e morreram. Muitos foram felizes. Outros tantos sofreram. Alguns contaram o tempo para eu passar logo. Outros torceram para que eu parasse e deixasse que eles vivenciassem aquele momento de amor, felicidade, alegria sabendo que talvez jamais se repetiria.
- É verdade meu velho! – disse eu - Novamente eu sou testemunha disso. Também quis que o tempo parasse e que ele me deixasse ali, naquele exato momento, e nunca mais desse um passo à frente. Mas o tempo é implacável, Ele não para e nem tem sentimento. O tempo é frio e apressado!
- Meu filho, tenho que ir... – Me interrompeu o velho dizendo - Meu presente está chegando ao fim. Ontem fui futuro. Já serei passado. Página virada, talvez por alguns esquecida ou por outros lembrada, mas já vejo a contagem regressiva para a minha partida, o fim da minha jornada.
O velho, já muito cansado, me entregou um livro e disse: - É meu presente de despedida.
Peguei o livro e na capa estava escrito, em letras douradas, 2015 e dentro dele tinham trezentos e sessenta e cinco páginas numeradas e em branco. Então perguntei – Não tem nada escrito, meu velho? E então ele disse:
- Este livro é seu. Nele você escreverá mais um capítulo de sua história. Por isso as páginas em branco, pois é você quem dá o rumo da sua vida, dos seus passos. Você e só você é capaz de escrever cada capítulo de sua história de vida. Escreva meu filho, faça de sua vida aquilo que você deseja. Sonhe, mas não deixe seus sonhos dormindo no seu travesseiro, acorde-os e realize cada um deles... Tenho que ir... – me disse o velho com seu ar cansado e triste - Estou morrendo... Quero que você, depois de minha morte, comemore a chegada do novo ano. Com ele novas esperanças de muita paz, alegria, amor, felicidade, fé e prosperidade também chegarão... 
O mundo está muito embrutecido, meu filho... As pessoas se matam por nada, é bala perdida achando inocentes, é bandido solto e políticos corruptos zombando indiferente, é tanta intolerância, tanto desamor, vocês não procuram um tempo para serem solidários, para conversar com Deus. Vocês precisam entender o que é amor pelo próximo e dar mais valor à vida. Tomara que o ano novo possa trazer isso para todos...
Enquanto o novo ano chegava e era comemorado por todos com festa, o velho morria, e muitos dele não se lembrariam, e outros o guardavam na lembrança com alegria.
Adeus ano velho... Feliz novo ano... E tenha pressa de viver um ano melhor, de reencontrar a si e ao outro, tenha pressa de se declarar, de se mostrar, de ser feliz. Tenha pressa, porque a gente não sabe quanto tempo o tempo nos dará e o tempo passa com muita pressa. Então, tenha pressa...
O ano acabou... Os sonhos e as esperanças se renovam... 
Seja bem-vindo meu novo ano!
Seja bem-vinda esperança!
Jorge Luiz Vargas
arte Camille Corot

Um comentário: