segunda-feira, 30 de maio de 2011

GAUTAMA CRISTO




Os nomes de Deus e em particular de seu
representante
chamado Jesus ou Cristo, segundo  textos e bocas,
têm sido usados, gastos e largados
à margem do rio das vidas
como conchas vazias de um molusco.

E no entanto, ao tocar estes nomes sagrados
e sangrados, pétalas feridas,
saldos dos oceanos do amor e do medo,
algo ainda permanece: um lábio de ágata,
a marca irisada que ainda treme na luz.

Enquanto se usavam os nomes de Deus
por melhores e por piores, por limpos e por
sujos
por brancos e negros, por ensanguentados
assassinos
e pelas vítimas douradas que arderam no napalm,
enquanto Nixon com mãos
de Caim bendizia seus condenados à morte,
enquanto menos e menores pegadas divinas
foram encontradas na praia,
os homens começaram a estudar as cores,
o porvir do mel, o signo do urânio,
buscaram com desconfiança e esperança as
possibilidades
de matar-se ou de não se matar, de organizar-se
em fileiras,
de ir além, de ser ilimitável sem repouso.

O s que cruzamos estas idades com gosto de sangue,
fumaça de escombros e de cinza morta,
e não fomos capazes de perder nosso olhar,
e muitas vezes nos detivemos nos nomes de Deus,
e os levantamos com ternura porque nos
recordavam
os antecessores, os primeiros,os que interrogaram,
os que encontraram um hino que os uniu na
desdita
e agora vendo os fragmentos vazios onde habitou
aquele nome
sentimos estas suaves substâncias
gastas, maltratadas pela bondade e pela maldade.

Pablo Neruda
In Jardim de Inverno
tela El Greco  

domingo, 29 de maio de 2011

A LUA DE LI PO




Há mil e duzentos anos, morria na China o poeta Li Po.
Seu nome e o de Tu Fu resumem a glória da poesia chinesa no século VIII; e o próprio Tu Fu, que alguns consideraram o maior dos dois, considerava-o, a ele, o maior de todos.

Dizem que Li Po morreu afogado, tentando abraçar a lua.Se a versão não for historicamente verdadeira, tem, pelo menos, o valor de encerrar com um fecho poético uma existência que, de longe , parece flutuar como um véu entre as águas e o luar, mais atenta à beleza geral do universo que às vantagens particulares do mundo.
Todos conhecem o poema em que Li Po cria, na solidão, um grupo de três amigos: ele, a sua sombra e a lua.Ao contrário do que acontece com os amigos humanos, que se separam depois de beber, com a sua sombra e a lua o poeta se sentia numa união inseparável: "nossos encontros" - dizia - "são na Via-Láctea".

Em quase todos os seus poemas, a lua aparece, clara e próxima, como se realmente fosse dois companheiros de mãos dadas, entre jardins e lagos, palácios, montanhas e rios."O luar é como neve ao longo do muro da cidade..." " O arco da ponte parece a lua crescente..."
Nas águas do lago, a lua é embalada com a canção das flores e o poeta entristece os remos de seu barco inoportunos:

"O lago Nan-hu embala a lua de outono
que se reflete na sua água verde.
O ruído dos meus remos interrompeu
o hino de amor
que os nenúfares cantavam à lua"

A lua aparece-lhe no jardim juncado de flores de pessegueiros;a lua aparece-lhe nas ruínas dos palácios:

"Hoje, a lua de Si-Kiang é a única dançarina a
bailar salas por onde deslizaram tantas
mulheres formosas."
Li Po, que viveu algum tempo na Corte, onde o seu mérito era reconhecido, foi afastado por intrigas, e houve, certamente, melancolia em sua vida. Mas o vinho e a lua dissipavam-lhe as amarguras:

"já que a vida é ilusória como um sonho,
Por que nos atormentaremos?
Prefiro beber até cair."

Foi o que ontem fiz.
Ao acordar, olhei em redor.
Um pássaro gorjeava entre as flores.
Roguei-lhe me informasse
sobre a estação do ano
e ele me respondeu
que estávamos na época em que a primavera
faz cantar os pássaros.

Como eu já me ia eternecendo,
recomecei a beber,
cantei até a lua chegar
e do novo tornei a perder a noção das coisas.


 Cecília Meireles
 In Escolha o seu sonho

A GENTILEZA É UMA QUALIDADE DIVINA


A gentileza é uma das qualidades mais divinas, porque o primeiro requisito para ser gentil é abandonar o ego — que nunca é gentil.

O ego é sempre agressivo, não pode ser gentil.

Ele nunca é humilde — é impossível para o ego ser humilde. Todo o seu projeto desmorona se ele for humilde. E gentileza é o caminho para se chegar à existência.

É preciso ser mais como a água do que como a rocha. E lembre-se sempre: no fim, a água é vitoriosa sobre a rocha.

Osho, em "Meditações Para a Noite"
In  http://www.palavrasdeosho.com/
foto de  gadgetfish

quinta-feira, 26 de maio de 2011

VOCÊ TEM MEDO DE DIZER EU TE AMO?








CORES: INQUILINAS DO MUNDO




A cada nova aurora,
réstias de luz
brincam em nossas vidraças,
e aguardam a febre do meio-dia.

Na dispersão da luz
as cores se avolumam:
terra, laranja,amarelo e ferrugem.

Solarizada, a natureza
realça sua vivez até afogar-se num pélago
de tintas outonais.

Entre contrastes, a lúcida pupila
acomodou sua alma
na visão edênica,
criando para si
um mundo ainda inconcluso,
advento da tônica final.

O que esta visão revela?
Um silêncio?
Uma ventania?
Uma canção?

Colhe-se canções quando em pranto
jogamos as sementes?

Dúnia de Freitas
In À Beira de mim na madrugada azul
foto por Moshélio

segunda-feira, 23 de maio de 2011

TENZIN GYATSO





TENZIN GYATSO, monge budista, doutor em filosofia budista, agraciado com mais de 50 títulos honoris causa, Prêmio Nobel da Paz, XIV Dalai Lama, há tempos deixou de ser apenas o líder espiritual e secular do povo tibetano. Hoje é uma das personalidades mais reconhecidas e admiradas do cenário mundial. Patrimônio vivo da humanidade.

Defensor incansável da não-violência, da tolerância, do diálogo e da preservação dos recursos naturais do planeta, percorre o mundo convidando-nos a refletir sobre a necessidade de uma convivência harmônica entre os povos, as culturas, as religiões e a própria natureza. Sua mensagem é simples e sem rodeios, dirigida ao coração dos fatos.Eis alguns exemplos:

"Hoje, enfrentamos muitos problemas. Alguns criados por nós em consequência de diferenças ideológicas, religiosas, raciais, econômicas. Entretanto, chegou o momento de pensarmos em um nível mais profundo, em nível humano, e a partir daí apreciar e respeitar essa mesma condição nos outros seres humanos. Devemos construir relacionamentos mais próximos, de confiança mútua, compreensão e ajuda. Todos queremos a felicidade e evitar o sofrimento. Todos temos o mesmo direito de ser felizes, e aí reside a nossa igualdade fundamental. Não é necessário seguir filosofias complicadas. Nosso próprio cérebro, nosso próprio coração é o nosso templo. A filosofia é a bondade."

"A humanidade é uma só e este pequeno planeta é nossa única casa. Se temos de proteger esta casa, cada um de nós precisa experienciar um sentimento vivo de altruísmo universal. Nosso planeta foi abençoado com vastos tesouros naturais. Se os usarmos adequadamente, todo ser humano poderá usufruir de uma vida rica e de bem-estar."

"O cultivo do amor e da compaixão é a verdadeira essência de todas as crenças. O importante é que em sua vida diária você pratique as coisas essenciais e, nesse nível, quase não existe diferença entre budismo, cristianismo, judaísmo, islamismo ou qualquer outra fé. Todas elas focalizam o desenvolvimento, o aperfeiçoamento dos seres humanos, o sentimento de fraternidade e de solidariedade. Nesse sentido, as diferenças entre as religiões não são de maneira alguma essenciais."

"Quando os seres humanos se desentendem, mostram que esqueceram suas semelhanças fundamentais para supervalorizar razões secundárias. Por razões secundárias um homem destrói outro homem e destrói o planeta que o abriga. As crises, a violência, as queixas sobre o declínio da moralidade que nos assolam, mostram que o enorme desenvolvimento externo — sem dúvida útil e necessário — não corresponde a um mesmo nível de desenvolvimento interno da humanidade. Esse cultivar-se internamente é que garantirá nosso direito à felicidade e até à sobrevivência. Porque, por mais mortíferas que sejam as armas produzidas pelo medo e pelo ódio, é necessária a mão de um homem para detonar o gatilho."

Tenzin Gyatso

AMIGOS DE ALMA - ANTÍDOTO PARA A SUPERFICIALIDADE





Hoje fui almoçar com um amigo querido, desses que se revelam joias raras e que guardamos com cuidado na nossa caixinha de tesouros. Lá pelo meio do almoço nos demos conta do quanto aquele momento era precioso e desatamos os dois a chorar, para espanto das pessoas que, no meio do dia, estavam lá somente para almoçar, sem lágrimas inclusas no cardápio.

O meu sentimento era uma mistura de alegria e gratidão. Alegria por estar na presença de uma pessoa que compreendia minha língua, alguém com quem eu podia ser simplesmente quem sou, sem edições ou explicações. Gratidão pela qualidade luminosa daquele encontro com um ser humano tão bonito, algo que não é tão comum quanto eu gostaria. Gratidão por, naquela presença tão inteira, ser capaz de me lembrar de minha própria inteireza.

Depois do almoço, dirigindo meu carro, vim pensando no quanto uma pessoa, um encontro real, pode tornar nossa vida melhor e mais significativa. Ah, como são preciosos os amigos de verdade, amigos de alma. Sabe, andam faltando modelos em nosso mundo. Pessoas a quem a gente possa admirar. Pessoas que consideremos especiais, sábias, belas.

Não falo da beleza externa, essa que se torna cada vez mais acessível com o incrível arsenal que a medicina e a estética oferecem hoje em dia. Falo da beleza real, dessa que vem de dentro… dessa beleza poderosa, que nos toca e faz nosso coração ficar maior dentro do peito.

É bom lembrar que nem tudo está perdido. Que aqui e ali existem pessoas extraordinárias, que não se perderam no alucinante ritmo de nosso mundo devorador de almas. Que andando por aí existem pessoas lindas, imersas em seus desafios diários, tentando fazer o seu melhor.

A chama de uma vela é, mais do que nunca, necessária. Nada é mais reconfortante do que aquela luz dourada nos momentos em que somos abraçados por uma súbita escuridão. Vivemos tempos sombrios, é verdade. Os valores mais belos andam se tornando mais e mais escassos ao nosso redor. Mas, se prestarmos atenção, veremos também milagres acontecendo. Veremos a improvável beleza resistindo e florescendo em meio à dor, ao medo, ao sofrimento. Veremos pessoas resistindo, lutando por suas almas, batendo suas asas e voando na direção daquilo que acreditam.

Eu me sinto profundamente tocada ao ver alguém assim corajoso. E de repente, como se uma nova vida fosse injetada em minhas veias, sinto-me novamente capaz de acreditar, de lutar e de prosseguir.

Nós precisamos uns dos outros, precisamos nos aproximar de pessoas que nos reconectem com a vida que pulsa em nossos corações. Nada é mais precioso do que uma pessoa que nos ajuda a voltar a acreditar em nós mesmos. Nada é mais gratificante do que ajudarmos alguém a manter sua chama acesa.

Pensar em tudo isso deixou tudo mais dourado ao meu redor.

Quem sabe o mesmo ocorra a você?

por Patricia Gebrim
In http://www.simplescoisasdavida.com/
foto http://www.institutodopotencial.com.br/2011/01/o

Eu, Cirilo Veloso Moraes, sou fã do Walt Disney e seu mundo mágico desde há muito tempo. Dia desses estava revendo meu imenso arquivo de vídeo e encontrei uma campanha do Disney Channel para o prêmio Caboré de 2008. Ei-la:




E assim, depois de muito esperar, num dia como outro qualquer, decidi triunfar…
Decidi não esperar as oportunidades, e sim eu mesmo buscá-las.
Decidi ver cada problema como uma oportunidade de encontrar uma solução.
Decidi ver cada deserto como uma possibilidade de encontrar um oásis.
Decidi ver cada noite como um mistério a resolver.
Decidi ver cada dia como uma nova oportunidade de ser feliz.
Naquele dia, descobri que meu único rival não era mais que minhas próprias limitações e que enfrentá-las era a única e melhor forma de superá-las.
Naquele dia, descobri que eu não era o melhor e que talvez eu nunca tivesse sido.
Deixei de me importar com quem ganha ou perde.
Agora me importa simplesmente saber melhor o que fazer.
Aprendi que o difícil não é chegar lá em cima, e sim deixar de subir.
Aprendi que o melhor triunfo é poder chamar alguém de “amigo“.
Descobri que o amor é mais que um simples estado de enamoramento, “o amor é uma filosofia de vida”.
Naquele dia, deixei de ser um reflexo dos meus escassos triunfos passados e passei a ser uma tênue luz no presente.
Aprendi que de nada serve ser luz se não iluminar o caminho dos demais.
Naquele dia, decidi trocar tantas coisas…
Naquele dia, aprendi que os sonhos existem para tornar-se realidade.
E desde aquele dia já não durmo para descansar… simplesmente durmo para sonhar.

Walt Disney

sábado, 21 de maio de 2011

VIVER



Que entre os raios do sol e da opalina lua
a vida flua.
Voltívolo arroio entre pedras roladas,
despencadas
a vida flua.

Da alma que, do amor se faz vazia
e erradia
a vida flua,
reflua,
abrindo brechas, recebendo flechas,
sem dor nem queixas.

A vida firme flua dura,
pura,
completamente nua
num circuito de lua.

Nair Baptista Schoueri
In A Pedra e o Ser
foto por Ed von Ems

PARA REFLETIR ...



"Todo impulso é cego se é
sem sabedoria.
E toda sabedoria é vã sem
ação.
E toda a ação é vazia sem
amor.
E trabalhar com amor é
um vínculo com os outros,
com vós mesmos e com
Deus"

Gibran Khalil Gibran
foto de David Walenga

quinta-feira, 19 de maio de 2011

SATHYA SAI BABA

Sathya Sai Baba nasceu em 23 de novembro de 1926, numa pequena vila no sul da Índia, chamada Puttaparthi, no estado de Andhra Pradesh. Ele reside lá ainda hoje, recebendo milhares de visitantes do mundo inteiro em sua comunidade espiritual (ashram), chamada Prasanthi Nilayam, que significa "Morada da Paz Suprema" (shanti=paz, pra=suprema, nilayam=morada).
 
De um pequeno salão rústico onde se reuniam para cantar e aprender os ensinamentos sagrados, em sua juventude, hoje Puttaparthi conta com estação de trem e até aeroporto, para receber o fluxo surgido do crescente e incessante movimento de pessoas que, ao ouvir falar sobre Sai Baba, manifestavam a vontade de conhecê-lo pessoalmente.
Atualmente, Prasanthi Nilayam conta até com Planetário e Estúdio Digital, bem como um Estádio de Esportes, diversas residências, acomodações para os visitantes, refeitórios (ocidental e indiano), bem como o Templo principal, conhecido como Mandir, para a celebração de festividades, sendo também espaço para meditações e outras práticas espirituais.
Apesar de muitos se aproximarem por curiosidade, o ashram, onde vive Sai Baba, não é um lugar turístico, e sim um local onde um grupo de pessoas está voltado para um objetivo comum, que é a obtenção da Paz Interior através de íntima comunhão com o sagrado, com o Divino. Visando a alcançar tal objetivo, busca-se colocar em prática as orientações de Sai Baba, tais como: silêncio, meditação, serviço altruísta, canto de nomes sagrados, autoquestionamento e amor incondicional.
 
Recentemente, a quantidade de visitantes cresceu muito, tornando a simples visão de Sathya Sai um sinal de mérito. Nas festividades maiores, como o Natal, o Ano Novo, o Mahashivarathri e o Aniversário de Sai, conta-se aos milhares o número de hóspedes, aspirantes espirituais.
Os relatos de quem esteve lá são responsáveis por essa tendência de aumento continuar, por refletirem um ambiente de muito crescimento em autoconhecimento e experiências fraternas. Todavia, freqüentemente se recorda também do clima severo da Índia, que, com seu calor intenso, faz sofrer muitos peregrinos desavisados.
Nesse cenário estão presentes os maiores tesouros de Sathya Sai Baba: seus estudantes. Desde a educação infantil até o ensino superior, todas as instituições acadêmicas construídas ali trazem a grande marca da Educação Sathya Sai, centrada nos Valores Humanos em ação, e não meramente na memorização do conteúdo de livros.
O ser humano verdadeiramente educado é amoroso. Sathya Sai propõe, e os resultados confirmam, que trabalhar na raiz do problema é o meio de se resolvê-lo: cultivando o coração dos seres humanos, desde pequeninos, quando ainda estão em sua pureza original, ministrando a sabedoria da Unidade de toda a Vida. Estes irão, adiante, naturalmente multiplicar o amor recebido.

In http://www.sathyasai.org.br/organizacao

OS DEZ PRINCÍPIOS PARA INTEGRAÇÃO DA COMUNIDADE MUNDIAL

 

1) Amem e sirvam à sua pátria. Não firam nem odeiem a pátria dos outros.
2) Respeitem todas as religiões com igualdade
3) Reconheçam a fraternidade entre os homens. Tratem a todos como seus irmãos. Amem a todos.
4) Mantenham seus lares e seus arredores limpos. Isto promove a saúde e a auto-estima.
5) Pratiquem a caridade, mas não alimentem a mendicância dando dinheiro aos mendigos. Dêem-lhes alimentos, roupa, proteção, e ajudem-nos a ajudarem a si mesmos (não estimulem a preguiça).
6) Não tentem os outros subornando-os, nem se rebaixem aceitando suborno (nunca deem lugar à corrupção).
7) Não estimulem o ciúme e a inveja. Tratem a todos da mesma maneira, sem levar em conta distinções sociais, de raça ou de religião.
8) Não dependam de outros para suas próprias necessidades pessoais; sejam seus próprios servidores, antes de se proporem a servir aos outros.
9) Observem as leis de seu país; sejam cidadãos exemplares.
10) Cultivem o amor por Deus; afastem-se do pecado.
 
Os Dez Princípios foram enunciados por Sathya Sai Baba durante seu sexagésimo aniversário, quando fez uma convocação para a Integração da Comunidade Mundial, um programa universal de Não-Violência (ahimsa), que constitui a manifestação da dimensão espiritual do homem. Estes princípios, em geral, referem-se à prática espiritual em relação à comunidade.

Sathya Sai Baba

FELICIDADE REALISTA




A princípio bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.
Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis.Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor?
Ah, o amor… não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando.
Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo.
Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar a luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito.
É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista.
Ter um parceiro constante pode ou não, ser sinônimo de felicidade.
Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.
Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.
Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável.
Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno.
Olhe para o relógio: hora de acordar.
É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente.
A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio.
Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se.
Invente seu próprio jogo. Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração. Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade.

Martha Medeiros

SOMOS INOCENTES




A parte dura desta humana lida
é dizer sim na hora do não,
escolher mal entre silêncio e grito,
entre a noite e a explosão
do dia.

Ceder quando devíamos negar, dizer
não em lugar de afirmar, partir
quando era bom amar, fechar-se
em vez de resgatar
a vida.

Sermos tão incertos e indecisos,
perdendo o trem, a hora,
o agora: mas a gente
não sabia.

Lya Luft
In Para não dizer adeus
foto por  Georgie.H

PERDER E GANHAR




Com as perdas, só há um jeito:
perdê-las.
Com os ganhos,
o proveito é saborear  cada um
como uma fruta boa da estação.

A vida, como um pensamento,
corre à frente dos relógios.
O ritmo das águas indica o roteiro
e me oferece um papel:
abrir o coração como uma vela
ao vento, ou pagar sempre a conta
já vencida.

Lya Luft
In Para não dizer adeus
foto por  Ahmet ÖZTÜRK

OLHE-SE NO ESPELHO



“No mês passado participei de um evento sobre o Dia da Mulher. Era um bate-papo com uma platéia composta de umas 250 mulheres de todas as raças, credos e idades. E por falar em idade, lá pelas tantas, fui questionada sobre a minha e, como não me envergonho dela, respondi.
Foi um momento inesquecível!!… A platéia inteira fez um ‘oooohh’ de descrédito.
Aí fiquei pensando: “pôxa, estou neste auditório há quase uma hora exibindo minha inteligência, e a única coisa que provocou uma reação calorosa da mulherada foi o fato de eu não aparentar a idade que tenho? Onde é que nós estamos?”
Onde não sei, mas estamos correndo atrás de algo caquético chamado ‘juventude eterna’. Estão todos em busca da reversão do tempo. Acho ótimo, porque decrepitude também não é meu sonho de consumo, mas cirurgias estéticas não dão conta desse assunto sozinhas.
Há um outro truque que faz com que continuemos a ser chamadas de senhoritas mesmo em idade avançada. A fonte da juventude chama-se “mudança”. De fato, quem é escravo da repetição está condenado a virar cadáver antes da hora. A única maneira de ser idoso sem envelhecer é não se opor a novos comportamentos, é ter disposição para guinadas.
Eu pretendo morrer jovem aos 120 anos.
“Mudança”, o que vem a ser tal coisa?
Minha mãe recentemente mudou do apartamento enorme em que morou a vida toda para um bem menorzinho. Teve que vender e doar mais da metade dos móveis e tranqueiras, que havia guardado e, mesmo tendo feito isso com certa dor, ao conquistar uma vida mais compacta e simplificada, ...Rejuvenesceu!.
Uma amiga casada há 38 anos cansou das galinhagens do marido e o mandou passear, sem temer ficar sozinha aos 65 anos. Rejuvenesceu!.
Uma outra cansou da pauleira urbana e trocou um baita emprego por um não tão bom, só que em Florianópolis, onde ela vai à praia sempre que tem sol. … Rejuvenesceu!!!
Toda mudança cobra um alto preço emocional. Antes de se tomar uma decisão difícil, e durante a tomada, chora-se muito, os questionamentos são inúmeros, a vida se desestabiliza. Mas então chega o depois da coisa feita, e aí a recompensa fica escancarada na face. Mudanças fazem milagres por nossos olhos, e é no olhar que se percebe a tal juventude eterna.
Um olhar opaco pode ser puxado e repuxado por um cirurgião a ponto de as rugas sumirem, só que continuará opaco porque não existe plástica que resgate seu brilho. Quem dá brilho ao olhar é a vida que a gente optou por levar.

Olhe-se no espelho…”

quarta-feira, 18 de maio de 2011

PAZ COM A MÃE TERRA




“Abençoado seja o Filho da Luz que conhece sua Mãe Terra,
pois é ela a doadora da vida.Saibas que a sua Mãe Terra está em ti e tu estás Nela.Foi Ela quem te gerou e que te deu a vida
E te deu este corpo que um dia tu lhe devolvas.Saibas que o sangue que corre nas tuas veias Nasceu do sangue da tua Mãe Terra,o sangue Dela cai das nuvens, jorra do ventre Dela
borbulha nos riachos das montanhas flui abundantemente nos rios das planícies.Saibas que o ar que respiras nasce da respiração da tua Mãe Terra,o alento Dela é o azul celeste das alturas do céu e os sussurros das folhas da floresta.
Saibas que a dureza dos teus ossos foi criada dos ossos de tua Mãe Terra.Saibas que a maciez da tua carne nasceu da carne de tua Mãe Terra.A luz dos teus olhos, o alcance dos teus ouvidos nasceram das cores e dos sons da tua Mãe Terra que te rodeiam feito às ondas do mar cercando o peixinho.
Como o ar tremelicante sustenta o pássaro em verdade te digo, tu és um com tua Mãe Terra ela está em ti e tu estás Nela.
Dela tu nasceste, Nela tu vives e para Ela voltará novamente.
Segue, portanto, as Suas leis pois teu alento é o alento Dela.
Teu sangue o sangue Dela.
Teus ossos os ossos Dela.
Tua carne a carne Dela.
Teus olhos e teus ouvidos são Dela também.
Aquele que encontra a paz na sua Mãe Terra
não morrerá jamais,conhece esta paz na tua mente
deseja esta paz ao teu coração realiza esta paz com o teu corpo.”


Evangelho dos Essênios
In http://ronitaeliane.blogspot.com/

terça-feira, 17 de maio de 2011

ENQUANTO SE MOVE A LUA



À noite não dormem
as cerejeiras em flor.
Seu breve tempo de vida
não lhes permite sono.
Ausentes os beija-flores que as cortejam de dia
distantes os besouros e abelhas
agora recolhidos em seus ninhos,
somente as pétalas velam no silêncio
avançando rumo ao pleno esplendor
que marcará o início do seu fim.

Marina Colasanti
In Passageira em trânsito
foto de  khass 2000

ORAR



Orar é entrar em sintonia com Deus. Há muitas maneiras de fazê-lo, e não se pode dizer que esta é melhor que aquela. Há orações individuais ou coletivas, baseadas em fórmulas ou espontâneas, cantadas ou recitadas. Os salmos, por exemplo, são orações poéticas, das quais cerca de cem expressam lamentação e/ou denúncia, e cinqüenta, louvor. Nós, ocidentais, temos dificuldade de orar, devido ao nosso racionalismo. Em geral, ficamos na soleira da porta, entregues à oração que se apóia nos sentidos (música, dança, mirar vitrais ou paisagens etc) ou na razão (fórmulas, leituras, reflexões etc).
Orar é entrar em relação de amor. Como ocorre entre um casal, há níveis aprofundamento entre o fiel e Deus. Uns oram como o namorado que fala demais no ouvido da namorada. Como se Deus fosse surdo e burro. Parecem aquela tia que liga e fala tanto, tanto, que minha mãe deixa o fone, mexe a comida nas panelas, e retorna, sem que sua ausência seja percebida.
Jesus sugeriu não multiplicar as palavras. Deus conhece os nossos anseios e necessidades. O próprio Jesus, narra o evangelho, gostava de retirar-se para lugares ermos para entrar em oração. "Jesus foi para a montanha a fim de rezar. E passou toda a noite em oração a Deus" (Lucas 6, 12).
Na oração, é preciso entregar-se a Deus. Deixar que ele ore em nós. Se temos resistência à oração é porque, muitas vezes, tememos a exigência de conversão que ela encerra. Parar diante de Deus é parar diante de si mesmo.
Como num espelho, ao orar vemos o nosso verdadeiro perfil - dobras do egoísmo realçadas, mágoas acumuladas, inveja entranhada, apegos enrijecidos. Daí a endência a não orar ou fazer orações que não revirem ao avesso a nossa subjetividade.
Os místicos, mestres da oração, sugerem aprendermos a meditar. Esvaziar amente de todas as fantasias e idéias, e deixar fluir o sopro do Espírito no silêncio do coração. É um exercício cujo método a literatura mística ensina.
Mas é preciso, como Jesus, reservar tempo para isso. Assim como a relação de um casal arrefece se não há momentos de intimidade, do mesmo modo a fé sedebilita se não nos recolhemos em oração.
Oramos para aprender a amar como Jesus amava. Só a força do Espírito dilata o coração. Portanto, uma vida de oração se avalia, não pelos momentos entregues a ela, e sim pelos frutos na vida cotidiana: os valores elencados como bem-aventuranças no Sermão da Montanha (Mateus 5, 1-12). Ou seja, pureza de coração, desprendimento, fome de justiça, compaixão, destemor nas erseguições etc.
Orar é deixar-se amar por Deus. É deixar o silêncio de Deus ressoar em nosso espírito. É permitir que ele faça morada em nós. Sem cair no farisaísmo deixar que a minha oração é melhor do que a sua, como aquele fariseu frente ao blicano (Lucas 18,9-14). Quem ora procura agir como Jesus agiria. Sem temer os conflitos decorrentes de atitudes que contradizem os antivalores da sociedade consumista e individualista em que vivemos.
Orar é subverter-se a si próprio. Centrado em Deus, o orante descentrasenos outros, e imprime à sua vida a felicidade de amar porque se sabe amado.Parafraseando Jó, antes de orar se conhece a Deus "por ouvir falar". Depois,por experimentar. O que levou Jung a exclamar: "Eu não creio. Eu sei".

Frei Betto
Saint Francis in Meditation

OS ANJOS



No "O Domingo", guia de missa, li certa vez na página final, "Temas Atuais", o artigo Como são os Anjos?, escrito por Maria Paula Rodrigues.Isso me despertou a atenção, haja vista eu ter feito um pequeno trabalho, a pedido de um grupo de pesquisas, há mais de trinta anos, cujo tema era o mesmo.
Dizia o Padre Antonio Vieira, no Décimo Quinto Sermão de Nossa Senhora do Rosário:
"Crê juntamente em que Deus é três pessoas, cada uma delas Deus, e que esse Deus é um só, e não três Deuses" .As vontades desse Deus trino são executadas por seres sobrenaturais, como ele, mas de importância secundária, denominadas anjos, palavra grega que significa mensageiros. O número dos anjos é muito grande, de conformidade com que ensina o 'Catecismo de Montpellier".
 Igualmente, nas teorias religiosas da Índia, China,Egito,Pérsia e outros, os anjos são substâncias inteligentes, superiores à alma do homem.De acordo com a tradição muçulmana, foi numa noite do mês de Ramadã, do ano 610, que, enquanto dormia ou estava em transe, Maomé, então com 40 anos, viu o Anjo Gabriel na sua frente, o qual lhe ordenou "Recitai em nome do Senhor a mensagem que vou citar", criando assim o Alcorao! Maomé não sabia ler nem escrever.
Os anjos apareceram para muitos personagens bíblicos.Segundo uma classificação proveniente dos primeiros séculos da era cristã, existem três hierarquias de anjos: os querubins, que são virtudes, as potências; depois os arcanjos e os anjos. A igreja ensina que os anjos não existiam desde toda a eternidade, mas que foram criados em estado de graça, com a liberdade de escolherem entre o Bem e o Mal.
Os cristãos creem que Deus confia cada pessoa à guarda de um anjo.É o anjo, que todas as manhãs alguns invocam, suplicando o seu auxílio.Essa crença funda-se em diversas passagens das Escrituras, iniciando em Gên.48,16. Nas escrituras são citados muitos anjos, como Miguel,Gabriel,Rafael, entre outros.
Os anjos são representados com asas e com túnicas brancas, para exprimir a sua essência imaterial e a sua pureza.Mais recentemente, tornaram-se uma espécie de criança rechonchuda, risonha.
Sua influência sempre foi benéfica a todos, no folclore e na educação familiar, principalmente para as crianças.

Ozório Cândido Ferreira
In Eu no Mundo
tela de  Giovanni Odazzi
The Annunciation

domingo, 8 de maio de 2011

ESCOTOMAS




Não sei
o que é um espírito. Ninguém
conhece a fundo a luz do seu abismo
enquanto o vento, à noite, vai abrindo
as infinitas portas de uma casa
vazia. A minha voz
procura responder a outra voz,
ao choro dos espectros que celebram
a sua missa negra, o seu eterno
sobressalto. Num ermo
da cidade magoada escuto ainda
o rumor de um oráculo,
a febre de um adeus que se prolonga
no estertor dos ponteiros de um relógio,
nesse ritmo feroz, na pulsação
do meu sangue exilado que recorda
um abrigo divino. pai nosso, que estás
entre o céu e a terra, conduz-me
ao precipício onde hibernou a alma
e ensina-me a romper a madrugada
como se a minha face fosse
um estilhaço da tua
e nela derretessem, por milagre,
estas gotas de gelo ou de cristal
que não sabem ser lágrimas.

Fernando Pinto do Amaral
Enviado pela  minha querida Amiga  Madalena.
foto por  publik_oberberg

domingo, 1 de maio de 2011

CANÇÃO DE ROSEMARY




Enquanto raiava o dia
entre rubis e arrebóis
silenciosamente a sós
a estrela se recolhia

Enquanto o jardim se abria
em caules de ardente seiva
a um recanto junto à relva
uma rosa fenecia

De fonte azul todavia
de amargura inconsolada
uma copiosa orvalhada
toda a terra umedecia
para preparar a via
de uma nova madrugada
em que a alma renasceria.

Henriqueta Lisboa
In Pousada do Ser